Curso de Potencial Evocado

 

Sejam bem vindos mais uma vez!

É com muita alegria que trazemos a vocês o Curso de Pontencial Evocado.

As aulas são disponibilizadas em pendrive, e roteiros de avaliação prática em apostilas.

Nosso muito obrigado a todos que já conhecem nosso trabalho e sintam-se convidados para mais esse ciclo. Para os que estão vindo pela primeira vez, aproveitem essa oportunidade para reverem conceitos e solidificar seus conhecimentos.

Dr. Karlo Faria Nunes


Potenciais Evocados

A avaliação das vias sensitivas e motoras centrais é outra modalidade de teste utilizado na neurofisiologia para estudar a função neural nas doenças neurológicas. O padrão
funcional das principais vias sensoriais, auditivas, visuais, e somatossensitivas, podem ser avaliada através das latências e amplitudes dos potenciais evocados.

A utilização de uma estimulação sensorial , gera na via correspondente uma série que eventos elétricos relacionados, que incluem os potenciais de receptor, o potenciais de ação dos nervos e os potenciais pós sinápticos, que podem ser registrados no couro cabeludo da pessoa, em áreas cutâneas que recobrem as apófises espinhosas e nos
nervos periféricos como potencial evocado.

Os potenciais evocados consistem num meio não invasivo de grande importância na avaliação da função sensorial e neural do sistema nervoso. São utilizados como
observações adicionais ao exame clínico. Eles podem ser utilizados em diferentes patologias, como esclerose múltipla, na avaliação de comprometimento sub-clínico, diagnóstico e seguimento. Podem ser também para avaliação de prognóstico, em pacientes em coma.

Na realização do exame o paciente deve estar em repouso e confortável. O estimulo utilizado é escolhido conforme a modalidade a ser avaliada. Assim, estímulos visuais são usados para estudar as vias ópticas; estímulos auditivos, para estudas as vias auditivas, estímulos elétricos , para estudar as vias somatossensoriais, e estímulos magnéticos, para avaliar a via piramidal, motora. As respostas geradas são captadas por eletrodos de superfície que levam o sinal até o equipamento, onde será feito o registro dos dados após a amplificação, filtragem e promediação do sinal.

O resultado da estimulação das vias sensoriais e motoras é uma série de ondas, ou seja, deflexões, positivas e negativas, relacionadas temporalmente com o estimulo aplicado que refletem a atividade neural na via examinada. Nessa resposta avaliamos as suas amplitudes, latências absolutas e a relação entre as latências das curvas (latências interpicos).Com esses dados podemos aferir o funcionamento da via estuda.

O potencial evocado auditivo avalia a integridade funcional da via auditiva central e periférica. Sendo útil na avaliação auditiva em crianças, na determinação de perda auditiva em adultos que não colaboram com a audiometria convencional, pacientes com diagnóstico de esclerose múltipla e na suspeita de acometimento do tronco encefálico.

O potencial evocado visual avalia a integridade funcional da via visual. Sendo útil na avaliação de pacientes com neurite óptica e na esclerose múltipla. Podendo ser utilizado na avaliação de lesões compressivas da via visual como tumores que comprometem o quiasma óptico ou nervo óptico.

O potencial evocado somatossensitivos são utilizados nos casos de envolvimento sensorial de origem no sistema nervoso central, com relação ao envolvimento medular são especificamente mais sensíveis ao comprometimento dos cordões posteriores, auxiliando na identificação de lesões sub-clínicas, ou nos casos de situações duvidosas, onde é necessário verificar se a lesão compromete os cordões posteriores.

O potencial evocado motor é útil para avaliar a via piramidal, principalmente no que diz respeito ao tempo de condução central, ou seja, o tempo necessário para que o neurônio motor superior ative o neurônio motor inferior, podendo ser utilizado em inúmeras patologias, como na esclerose lateral amiotrófica, esclerose múltipla, doenças medulares, radiculopatias entre outras.

 

DADOS TÉCNICOS DO CURSO:

Coordenação: Dr. Karlo Faria Nunes - Neurologista e Neurofisiologista Clínico,
professor de Neurofisiologia da UNIFESP, Membro titular da SBNC e ex- Membro do
“Educational Committee of IFCN”(2012-2014).

Data: 01 e 02 de Dezembro de 2017.

Carga Horária: 20 horas.

Público-Alvo: Residentes/estagiários/pós-graduandos e/ou profissionais da área de
medicina física e reabilitação, neurofisiologistas, neurologistas, neuropediatras e
neurocirurgiões.